"De leve...inocente...determinado...despercebido...distraído. E outra vez os arrepios...outra vez as sensações..."

25.4.13

"Descubra seus versos, seus gestos, seus restos.
Dê mais espaço para as reticências, elas precisam de ar.
Ceda o lugar para suas interrogações.
Não perca a coragem, o brilho no olhar, a vontade de modificar o que pode e deve ser trocado de lugar.
Não culpe o mundo, não culpe os outros pelo que te pertence.
E aprenda: nada muda se você não muda o seu olhar." 
 

Um comentário:

Ângelo Feinhart disse...

Amo vir aqui. Amo este blog. Amo cada um desses poemas inteiros, complexos, profundos, verdadeiros, tudo regado no azeite da simplicidade!
Sim, é bem verdade! Cada verso. Descobrir-se. Dar lugar às reticências, ceder às interrogações. Não culpar o mundo (ou a vida!). Mas, acima de tudo saber mudar o olhar! Maravilhoso. Beijo