"De leve...inocente...determinado...despercebido...distraído. E outra vez os arrepios...outra vez as sensações..."

7.11.11

As cartas de amor deveriam ser fechadas
com a língua;
Beijadas antes de enviadas.
Sopradas. Respiradas.
O esforço do pulmão capturado pelo envelope,
a letra tremendo como uma pálpebra.
Não a cola isenta, neutra,
Mas a espuma, a gentileza,
a gripe, o contágio.
Porque a saliva acalma um machucado.

As cartas de amor deveriam ser abertas
com os dentes.

3 comentários:

Ulisses Reis ® disse...

Maravilhosa e fiquei encantado com esse teu outro Blog, parabéns, beijos !

PP disse...

As cartas de amor são lembranças do nosso coração...

ღ Míìh..ღ disse...

Ulisses Reis...
Obrigada!
Beijos.