"De leve...inocente...determinado...despercebido...distraído. E outra vez os arrepios...outra vez as sensações..."

22.1.13

Confesso que por vezes tenho preguiça. Começar um algo novo sempre me dá um pouco de preguiça. São milhares de novos e antigos estágios que precisam ser ultrapassados e superados. E nem sempre você vai estar disposto a isso.
Acontece também que quando aquele pequeno casulo que sempre esteve ali é quebrado, você fica um pouco mais vulnerável e, a probabilidade de tudo dar errado de novo é muito maior.
Ser borboleta não deve ser assim. Quem entende do sexo e da paixão delas?
Só pela beleza que elas carregam parece fácil deixar de ser lagarta.
E ninguém sabe o quanto isso custou.
 

Um comentário:

Robert o Poeta Solitário disse...

Ao pegarmos num fruto delicioso, será justo pretender respirar ao mesmo tempo o perfume da flor? É preciso passar pela subtil delicadeza da nossa sensibilidade de amante e amada que quebrou o frágil casulo para chegar a esta segurança e maturidade do espírito….como a doce borboleta…